sexta-feira, 12 de março de 2010

PLANEJAMENTO Anual 8° ANO

Plano de Ensino – Matemática: 8º ano

Plano de ensino anual


I- IDENTIFICAÇÃO

Centro Educacional Barreiros - CEB
8º ano
Matemática
Professores responsáveis: Michelsch João da Silva
André Borges Silva


II – JUSTIFICATIVA

A Matemática faz-se presente em diversas atividades realizadas pelas crianças e oferece aos homens em geral várias situações que possibilitam o desenvolvimento do raciocínio lógico, da criatividade e a capacidade de resolver problemas. O ensino dessa disciplina pode potencializar essas capacidades, ampliando as possibilidades dos alunos de compreender e transformar a realidade.
Uma das finalidades do ensino de Matemática indica, como objetivo do ensino fundamental, levar o aluno a fazer observações sistemáticas de aspectos quantitativos e qualitativos do ponto de vista do conhecimento e estabelecer o maior número possível de relações entre eles, utilizando para isso o conhecimento matemático (aritmético, geométrico, métrico, algébrico, estatístico, combinatório, probabilístico); selecionar, organizar e produzir informações relevantes, para interpretá-las e avaliá-las criticamente;


III – OBJETIVOS

*Geral
Identificar os conhecimentos matemáticos como meios para compreender e transformar a realidade a sua volta, bem como estimular o interesse, a curiosidade, o espírito de investigação e o desenvolvimento da capacidade para resolver problemas, tornando o aluno apto para enfrentar os desafios das séries seguintes.

*Específicos
 resolver problemas;
 compreender conceitos e procedimentos matemáticos;
 desenvolver formas de raciocínio matemático;
 desenvolver capacidade relativa à investigações matemáticas;
 estabelecer relações entre a matemática e outras áreas do conhecimento;
 comunicar-se usando linguagem matemática;
 manter uma relação positiva com o aprendizado matemático;
 valorizar o conhecimento matemático;
 desenvolver atitudes de respeito em relação às opiniões alheias, de troca construtiva de idéias e da cooperação;
 iniciar uma educação tecnológica;
 resgatar a história da matemática como uma ferramenta que auxilia no processo ensino-aprendizagem;

IV – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

*1º trimestre

01 – Diferentes escritas dos números
1.1 – Porcentagem e informação
- porcentagem e frações
1.2 – Cálculo de porcentagem
1.3 – Frações e medidas

02 – No caminho das potências e raízes
2.1 – A potenciação e suas propriedades
- a potência tem suas propriedades
- potência de potência
- potência na geometria
- raiz quadrada aproximada
- novos números, novo conjunto
- um novo expoente

03 – Um grande encontro: álgebra e geometria
3.1 – Os quatro cantos
- paralelogramos
- trapézios
3.2 – Vamos aprender álgebra
- deduzindo fórmulas
3.3 – Cálculo algébrico com geometria
3.4 – Monômios
- grau de monômios
- adição e subtração de monômios
- multiplicação e divisão de monômios
- potenciação de monômios
3.5 – Polinômios
- grau de polinômios
- adição e subtração de polinômios
- multiplicação de polinômios
- divisão de polinômios por monômios
3.6 – Valor numérico de uma expressão algébrica

04 – Problema do X
4.1 – Incógnitas
- adivinhações
4.2 – Produtos notáveis
- quadrado da soma de dois termos
- quadrado da diferença de dois termos
- produto da soma pela diferença de dois termos

*2º trimestre

05 – Fatoração: desmanchando o produto
5.1 – Fatoração: desmanchando o produto
- fatoração pela colocação do fator comum em evidência
- uso da fatoração para simplificar
- fatoração por agrupamento
- fatoração da diferença de dois quadrados
- fatoração do trinômio quadrado perfeito
- fatoração de trinômio do 2º grau
06 – Frações algébricas: uma generalização das frações numéricas
6.1 – Frações algébricas... Para quê?
- fração algébrica na geometria
- fração algébrica e loteria
6.2 – Mínimo múltiplo comum
- cálculo do mínimo múltiplo comum de monômios
- cálculo do mínimo múltiplo comum de polinômios
- simplificações de frações algébricas
- adição a subtração de frações algébricas
- multiplicação de frações algébricas
- divisão de frações algébricas
- potenciação de frações algébricas
07 – Equações fracionárias
7.1 – Velocidade como fração algébrica
7.2 – Resolução de equações literais
7.3 – Resolução de equação fracionária literais


08 – Descoberta do valor das letras
8.1 – Resolução de sistemas pelo método da substituição
- saiba mais sobre o método da substituição
- diferentes situações que se resolvem por sistemas
- outra maneira de resolver sistemas
09 – Se representar... O que aparece?
9.1 – Plano cartesiano
- representação de equações
- sistemas, retas e planos
- o sistema tem solução?

*3º trimestre

10 – Na dança da geometria, a álgebra é seu par
10.1 – Ângulos
- unidades de medida de ângulos
- adição com graus
- subtração com graus
- multiplicação de medidas de ângulos por número real
- divisão de medidas de ângulos por número real
10.2 – Geometria dos mosaicos
- medida do ângulo central
- número de diagonais do polígono regular
10.3 – Ângulos, retas e polígonos
- paralelas da vida
- somando os ângulos de um polígono

11 – Formas da vida
11.1 – Classificação do que vemos
- desmanchar para medir
- estimativa da medida
11.2 – Unidades de área

12 – Descoberta de novas simetrias
12.1 – Simetria
- simetria axial
- simetria de reflexão
- simetria de translação
- simetria de rotação

13 – Demonstração geométrica
13.1 – Triângulos
- triângulo congruentes
13.2 – Demonstração das propriedades do triângulo
- triângulos congruentes nos quadriláteros
13.3 – Outros elementos do triângulo
- altura
- bissetriz
- mediana

14 – Circulando
14.1 – Circunferência: ângulos e partes
- mais elementos da circunferência
14.2 – Circunferências que se cruzam
14.3 – Ângulos na circunferência
14.4 – Setores da vida

15 – Dados estatísticos para quê?
15.1 – Estatística
- amostragem e população
- estatística em gráficos
- a média em diferentes situações
15.2 – Medidas de tendência central


V – ESTRATÉGIAS METODOLÓGICAS

*Técnicas
 aulas expositiva e dialogada
 atendimentos e observações individuais e coletivas
 discussão de textos/artigos que resgatam a história da matemática
 utilização de material didático específico para determinadas aulas

*Recursos
 quadro e giz
 lousa digital
 artigos
 material impresso/xerocado
 cartolina/papel cartão, cola e tesoura
 Sala de informática/internet
 Apostila
 Projetos

VI – INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

Os instrumentos de avaliação serão diversificados:
 observações e registros realizados pelo professor das várias interações com os alunos
 trabalhos do aluno durante o ano letivo, incluindo suas anotações no caderno
 trabalhos e atividades individuais e em grupo
 avaliação/prova escrita individual/dupla e com/sem pesquisa
 nota de participação

OBS:
- o critério utilizado para fechamento da média trimestral, pode sofrer variações a cada trimestre, portanto será registrado no diário de classe.
- aluno com média trimestral igual ou superior a 6,5 tem a prova de recuperação trimestral como atividade facultativa.
- aluno com média trimestral inferior a 6,5 terá a prova de recuperação trimestral como atividade obrigatória. Para estes, a nota da prova de recuperação sendo superior a nota do trimestre, sua média será feita através de média aritmética:
-Caso a nota da recuperação seja inferior a nota do trimestre, despreza-se a mesma.
- será aprovado o aluno que somar, ao final dos três trimestres, 19,5 ou mais pontos.
- Para alunos que não somarem os 19,5 pontos, será feito prova de 2ª época. Para ser aprovado, o aluno terá que obter média anual 5,0, ou seja, será feita uma média anual do aluno e, a partir desta, o mesmo terá que tirar pontos suficientes na prova de 2ª época para somar 10,0 pontos: .





São José, 22 de fevereiro de 2010.

Professor Michelsch
André

Nenhum comentário:

Postar um comentário